Obs: O fato de filmar do barco dificultou muito a estabilidade da camera!
Foram anos de expectativa; um evento na famosa bancada do D2, no Espírito Santo, era algo desejado por muita gente; atletas, não atletas, diretoria da FEBBEES, imprensa, enfim, todo mundo.
Adeílson Fernandes venceu e marcou seu nome na história do Bodyboarding Capixaba e Nacional ao vencer Anderson de Souza, o Pelé, na final com incríveis 19 pontos. Canarinho, como é conhecido, arrancou um 10 unânime dos juízes com um aéreo espetacular e uma nota 9.0 num backflip irado.
Os barcos partiram da Praia da Camburi e da Barra do Jucú, respectivamente e, após uma hora navegando, chegaram à bancada do D2. Alguns atletas saíram da Praia de Itapuã, em frente ao pico, e foram levados lá pra fora em embarcações menores. Chegando ao pico, boas ondas em torno de 1 metro de face quebravam sobre a rasa bancada. Com o passar do tempo e mudança da maré o mar foi acertando e ficando mais verde ainda, melhorando cada vez mais o cenário do espetáculo.
Alguns atletas tiveram a vida um pouco mais “fácil” por já estarem garantidos nas 4ªs de final. As ausências de Léo Costa e Magno Oliveira classificaram Roni Viana e Adeílson Fernandes diretamente para a próxima fase. Ausências à parte os outros confrontos das 8ªs tiveram as vitórias de Diego Pacheco contra Rino de Souza (Rino sofreu um acidente durante a bateria; errou durante a onda, perdeu os pés de pato e se feriu consideravelmente com ouriços; segundo ele mesmo, uns 40 – resultado: 10 dias sem colocar o pé no chão), Anderson de Souza contra Lucas Nogueira, Hellinton Loureiro contra Thiago Abul, Lucas Rodrigues ganhou de Pablo Canal, Caio Manhães derrotou Beto Abrantes e Diego da Silva ganhou de Diego Imperial.
Os confrontos das 4ªs tiveram classificados Roni Viana, Anderson de Souza, Adeílson Fernandes e Diego da Silva. Nesta fase, Diego da Silva, o Mimi, conseguiu o primeiro 10 unânime do evento. Um tubão seguido de El Rollo, levou as quase 100 pessoas presentes no pico ao delírio.
A semi final composta por Roni Viana x Anderson de Souza e Diego da Silva x Adeílson Fernandes foi alucinante. Como o diretor da prova, Marcelo Rocha disse: “No D2 todo atleta vem em onda pra 10, raramente teremos notas baixas.” Após intensa disputa os atletas da grande final se definiram. Anderson de Souza contra um improvável Adeílson Fernandes.
Adeílson não estava entre os favoritos. Ele mesmo confessou não estar treinando tanto por ter sofrido um sério acidente de moto e ainda estar se recuperando de alguns ferimentos.
Na grande final Adeílson mostrou que Anderson não teria vida fácil. Logo nas primeiras ondas arrancou um 9.0 ao executar um backflip de deixar o PLC recalcado. Anderson não deixava por menos e mostrava por que vinha sendo considerado um dos favoritos ao título, mostrava que conhecia a onda do D2 como poucos. Mas tendo uma boa escolha de onda, Adeílson achou “A” boa e literalmente decolou para o 10. Um aéreo impressionante decretou o fim da bateria ali praticamente. Adeílson Fernandes estava para a história do Bodyboarding no Espírito Santo ao vencer o D2 PRO, um evento histórico.
As curiosidades da etapa foram fatos como todos os membros do QT ficarem completamente mareados nas embarcações. Este humilde correspondente que vos escreve foi o primeiro da fila (rsrsrs). Fora isso, o evento foi de uma vibe incrível, pessoas presentes em cima de pranchas, canoas, caiaques, SUP’s e outros barcos puderam desfrutar de um clima muito legal e, mesmo com alguns contratempos, o evento foi memorável. A FEBBEES já começou a trabalhar para que ano que vem tudo saia melhor ainda.
Parabéns à todos os presentes; membros do QT e equipe Noix Friends e os amigos fotógrafos Zecops, Alex Abreu e Leon Júnior; todos se superaram e os atletas, principais estrelas do evento, fizeram seu papel de forma perfeita.
TEXTO: HUGO COSTA
IMAGENS E EDIÇAO: NOIX FRIENDS

Loading more stuff…

Hmm…it looks like things are taking a while to load. Try again?

Loading videos…