A maioria das revoluções que conhecemos acabaram reproduzindo exatamente aquilo que elas combatiam. A dissidência não é um modelo de tomada radical do poder. Significa inscrever-se no interior de um sistema, tomar partido, sem jamais acreditar que se pode revolucioná-lo completamente. Assim foi Maio de 68... que ainda não terminou. Maio de 68 desestabilizou as categorias clássicas da política, quebrou os paradigmas, pulverizou o niilismo e continua a fazê-lo ainda hoje. Foi uma revolução que não causou mortes; foi política, mas não queria tomar o poder. Foucault, Deleuze e Derrida, os filósofos rebeldes, nos ajudam a re-pensar a política do pós-Maio de 68, cada um à sua maneira. Eles propõem a política da felicidade e do intolerável como alternativa à política clássica do medo e da esperança. Uma revolução que ainda esta’ em marcha...
Gravado em 22 de junho de 2010.

Loading more stuff…

Hmm…it looks like things are taking a while to load. Try again?

Loading videos…