39ª recolha de entrevista

Vitorino Salomé Vieira nasceu em 1942 no Redondo (Alentejo).

É um cantor e compositor de 'música popular portuguesa' de longo percurso, com uma forte tradição familiar na música.

Cursou Belas Artes, mas cedo enveredou por circuitos musicais associados a alguma boémia.
Emigrou para França (Paris) onde se reuniu com outros autores como José Mário Branco ou Sérgio Godinho, passou por Cuba, Rio de Janeiro, Israel e aos 20 anos veio para Lisboa.

Amigo de Zeca Afonso colaborou em alguns dos seus fonogramas (Coro dos Tribunais), bem como nos de Fausto Bordalo Dias, entre outros.
O seu primeiro single foi lançado em 1974 (‘Morra Quem Não Tem Amores’), o mesmo ano em que participa no célebre concerto de Março de 1974 (no Coliseu) ‘Encontro da Canção Portuguesa’.

Desde o ano de 1975 (em que apresenta o seu primeiro longa duração: Semear Salsa ao Reguinho – e onde se encontram canções populares como ‘Menina Estás à Janela’ ou “Cantiga d'um Marginal do séc. XIX”, entre outras) até 2012 (em que lança ‘Moda Impura’, com textos maioritariamente de António Lobo Antunes) vai um longo caminho que o estruturaram enquanto homem e músico, e onde ficaram outros fonogramas da sua autoria (além das participações várias noutros grupos e com outros músicos de panoramas musicais diversos*) como: Os Malteses (de 1977) , O Cante da Terra (de 1979), Romances (de 1980), Flor de la Mar (de 1983), Leitaria Garrett (lançado em 1984), Sul (de 1985), o maxi-single “Joana Rosa” (de 1986), Negro Fado (de 1988), co-produzido por António Emiliano e José Manuel Marreiros, e que venceria o Prémio José Afonso, Lua Extravagante (um Quarteto composto por Filipa Pais e os seus irmãos Janita e Carlos Salomé e que originaria o álbum, com o mesmo nome do Quarteto, editado no ano de1991, Eu Que Me Comovo Por Tudo E Por Nada (de 1992, com textos de António Lobo Antunes, que venceria pela segunda vez, no ano a seguir ao seu lançamento, o Prémio José Afonso, assim como, no mesmo ano, o Se7e de Ouro para Música Popular), a compilação As Mais Bonitas de 1993 (com regravações de “Laurinda” e de “Menina Estás à Janela” e a gravação de Vitorino para “Ó Rama Ó Que Linda Rama”), A Canção do Bandido (de 1995).

*Não esquecendo, como referido, as suas colaborações ou projectos de que foi fundador, como entre outros, Rio Grande (com Rui Veloso, Tim, João Gil e Jorge Palma), os dois espectáculos (de um repertório menos conhecido de Zeca Afonso) ‘A Utopia e a Música’ no âmbito do Festival 100 dias da Expo 98 apresentado no Centro Cultural de Belém, o disco gravado, no ano de 1999, em Cuba com o Septeto Habanero, a solidariedade, através da música, com Pedro Barroso e Isabel Silvestre, com a campanha da Fenprof para recolocar o sistema educativo timorense (fonograma Uma Escola Para Timor, de 2000), o álbum Os Amigos - Coimbra nos arranjos de António Brojo e António Portugal ( com a sua participação e as de Luís Góis, Janita Salomé, Almeida Santos ou Manuel Alegre),Tango, El Perro Negro Canta (gravado em Buenos Aires , mas com três temas gravados em Lisboa, o qual dedicou à memória do pintor João Vieira), as colaborações com Brigada Vitor Jara, José Cid, Couple Coffee, entre alguns mais.

Nesta recolha Vitorino atenta um pouco o seu percurso na música e do qual não se dissociam as questões de uma ‘identidade cultural’, do surto de manifestações socio-culturais e musicais que não lhe são indiferentes, repassando simultaneamente para as ‘culturas e práticas musicais locais’, sobre a conjectura socio-política de um tempo e dos seus avanços e recuos, da sua evolução no meio musical, do seu afastamento e aproximação tardia a uma indústria cultural implementada e irregular, de uma possível ‘esquerda militante’ fomentada especialmante no seio académico associada à canção e numa outra protegida por uma política de Estado Novo, sobre uma noção de cosmpolitismo e do pensar as músicas através de uma periferia e de outras ideias como ‘tradição’, ‘invasão anglo-saxónica’ ou práticas musicais como o ‘cante alentejano’ ou ‘as modas’, o ‘fado’, mas também coreográficas como ‘o tango’e ‘o flamenco’, entre outras perspectivas suas que poderá escutar nesta gravação.

© Vitorino à conversa com Soraia Simões Perspectivas e Reflexões no Campo
Direitos Reservados muralsonoro.com
Recolha efectuada em Residência Artística do Intendente
foto de Inês Teles

Loading more stuff…

Hmm…it looks like things are taking a while to load. Try again?

Loading videos…