1. “VIDA MARIA” é um filme curta-metragem em animação realizado com recursos do edital “3o. PRÊMIO CEARÁ DE CINEMA E VÍDEO”, realizado pelo Governo do Estado do Ceará, onde recebeu nota máxima na categoria “FICÇÃO-ANIMAÇÃO-FILME”. O curta se consagrou nos festivais de cinema em 2007 e encerrou o ano como o filme mais premiado do Brasil.

    # vimeo.com/33871232 Uploaded 9,468 Plays 4 Comments
  2. Short film by Jorge Furtado on extreme poverty

    # vimeo.com/3475863 Uploaded 914 Plays 1 Comment
  3. A Velha a Fiar é um curta-metragem brasileiro de 1964 dirigido por Humberto Mauro, com a música popular homônima cantada pelo Trio Irakitan. Uma jóia do cinema brasileiro, esse curta-metragem é considerado pelos críticos como um dos primeiros videoclipes do mundo.
    Baseada em conto popular e também em divertidas parlendas tradicionais, a história conta a aventura de uma mulher, tão velha quanto o mundo, que vive até hoje a fiar em sua roca. Bichos participam da história: mosca, aranha, gato, cachorro, boi e uma infinidade de seres que constroem a história que a “Velha fia”.

    Gênero: Ficção
    Diretor: Humberto Mauro
    Fotografia: José de Almeida Mauro
    Edição: José de Almeida Mauro
    Elenco: Matheus Collaço
    Empresa Produtora - INCE
    Ano: 1964
    Duração: 6 min
    Cor: P&B
    Bitola: 35mm
    País: Brasil
    Local de Produção: RJ

    The short illustrates a Brazilian folk song in which a being or entity is always predating another being, but is in its turn predated by some other animal, until the circle closes. It begins like this: an old woman is quietly weaving and a fly disturbs her; a spider eats the fly; a mouse eats the spider; a cat chases the mouse and so on...

    # vimeo.com/20520305 Uploaded 9,049 Plays 3 Comments
  4. O Ministério da Cultura (MinC) abriu consulta pública do anteprojeto de lei que reforma a lei de direitos autorais (Lei 9.610/98 – LDA). A LDA vem sendo debatida com desde 2007 e sua alteração, segundo o MinC, tem o intuito de “harmonizar a proteção aos direitos do autor, o acesso do cidadão ao conhecimento e a segurança jurídica ao investidor”.

    Dada a relevância do tema, a Casa da Cidade e a Rede pela Reforma da Lei de Direitos Autorais propuseram aprofundar este debate por considerar os direitos do autor assunto de extrema relevância para todos os cidadãos e cidadãs. A questão se relaciona às nossas práticas cotidianas, como o compartilhamento de arquivos pela internet, a cópia de obras, o consumo de livros, filmes, música, o xerox para os estudantes e a utilização das obras para fins educacionais.

    A nova legislação autoral deve visar atender ao interesse público do acesso à cultura e ao conhecimento. Dentre as questões principais da reforma da lei, estão: a possibilidade de cópia privada, a criação de um sistema de supervisão estatal dos órgãos coletores de direitos autorais, a questão da cópia para uso educacional e o aumento das limitações e exceções (possibilidades de usos “justos” das obras protegidas).

    O projeto de lei que reforma a LDA fica em consulta pública, para receber contribuições da sociedade, até o dia 28 de julho e depois segue para o Congresso Nacional. É um assunto de grande interesse para artistas plásticos, músicos, arquitetos, escritores e todos os trabalham com criação, além dos cidadãos em geral.

    Convidados:

    Marcos Alves de Souza (diretor de direitos intelectuais do Ministério da Cultura)

    Paulo Teixeira (deputado federal)

    Pedro Paranaguá (doutorando em propriedade intelectual na Universidade de Duke (EUA) e coautor dos livros Direitos Autorais e Patentes e criações industriais)

    Guilherme Carboni (advogado autoralista, autor de Função Social do Direito de Autor)

    Guilherme Varella (Idec, Rede pela Reforma da Lei de Direitos Autorais)

    Mediação: Nabil Bonduki (Professor da FAU-USP e Casa da Cidade)

    Informações: http://www.reformadireitoautoral.org

    Streaming by Nós Digitais - http://www.nosdigitais.teia.org.br

    # vimeo.com/13140816 Uploaded 54 Plays 0 Comments
  5. Ministério da Cultura (MinC) abriu no dia 14/6, a consulta pública do anteprojeto de lei que reforma a lei de direitos autorais (Lei 9.610/98 – LDA). A LDA vem sendo tema de debate com a sociedade desde 2007 e a proposta de alterá-la, segundo o MinC, tem o intuito de equilibrar a proteção dos autores com o direito da sociedade de acessar de forma mais ampla os bens culturais produzidos.

    O direito autoral está num ponto importante e delicado da cadeia cultural, na interface entre produção, circulação e fruição dos bens culturais. A legislação autoral pode ser flexível, e permitir que esse elo se estabeleça de forma ágil e democrática, unindo o produtor de cultura ao público. Ou ser rígida, e significar um obstáculo ao acesso à cultura pela própria sociedade que a produz.

    Hoje, os Pontos de Cultura e os Cineclubes cumprem um importante papel na produção, preservação, compartilhamento de cultura no país. Para eles, portanto, o debate dos direitos autorais passa a ser central.

    Uma rede, como a dos Pontos, que compartilha seus conhecimentos, suas manifestações artísticas, seus saberes tradicionais, numa complexa dinâmica de transmissão de modos, fazeres e comportamentos, precisa entender como os direitos autorais aí se inserem, especialmente com as possibilidades digitais que gradativamente se incorporam ao seu cotidiano

    Os Cineclubes existem desde os primórdios do cinema, constituindo-se como uma modalidade alternativa de projeção, comprometida com a democratização do audiovisual e, portanto, requerindo sua livre circulação.

    Como protagonistas do vasto e diverso fazer cultural na base da sociedade brasileira, os Pontos de Cultura e Cineclubes inevitavelmente se relacionam com os direitos autorais no seu dia-a-dia, quando:

    * exibem em seus telecentros filmes e músicas unicamente com finalidade cultural e educacional;

    * fazem cópias digitais de filmes para a circulação e exibição sem interesse de lucro;

    * vêem sua produções musicais populares, tradicionais e regionais perdendo espaço para músicas veiculadas mediante pagamento às rádios – o famoso jabá;

    * produzem softwares livres, utilizam ferramentas digitais pra sua comunicação em rede e a internet para divulgarem o que é produzido na sua comunidade;

    * fazem remixes de obras para usos criativos e recriações, a exemplos dos grupos de rap e hip-hop;

    * quando fazem cópias para preservação de seus acervos, bibliotecas e videotecas;

    Todas estas questões, dentre muitas outras, passam a ser disciplinadas de forma mais efetiva, buscando o interesse público de quem faz e consome cultura, agora com a proposta da reforma da lei de direitos autorais. Uma nova legislação, mais adaptada às inovações tecnológicas e mais atenta à demandas dos segmentos culturais, beneficia a disseminação do conhecimento em rede, a preservação dos saberes e contribui para formas mais criativas de disponibilização das obras.

    Nesse sentido, o Instituto Pólis, por meio do Pontão de Convivência e Cultura de Paz, e a Rede pela Reforma da Lei de Direitos Autorais convidam para a sessão de diálogo: Direitos autorais, produção e acesso à cultura, a ser realizado no dia 13 de julho, das 14h às 18h, no Instituto Pólis.

    A ideia é ter uma conversa franca e aberta sobre como é a lei de direitos autorais hoje, quais os principais problemas e como revê-la para atender mais fortemente o interesse público do acesso à cultura e ao conhecimento. O projeto de lei que reforma a LDA fica em consulta pública, para receber contribuições da sociedade, até o dia 28 de julho e depois segue para o Congresso Nacional.

    Participantes:

    Marcos Alves de Souza (Diretor de Direitos Intelectuais do Ministério da Cultura)

    Frank Ferreira (Conselho Nacional de Cineclubes)

    Gustavo Anitelli (Musica para Baixar)

    Olívia Bandeira (Instituto Overmundo)

    Sérgio Amadeu (Universidade do ABC)

    Thiago Skárnio (Pontão Ganesha de Cultura Digital / Tuxáua)

    Mediação: Guilherme Varella (Idec, Rede pela Reforma da Lei de Direitos Autorais)

    Data: 13 de julho, 14h às 18h
    Local: Instituto Pólis (Rua Araújo 124, República – SP)

    Informações: http://www.reformadireitoautoral.org

    Streaming by Nós Digitais - http://www.nosdigitais.teia.org.br

    # vimeo.com/13341470 Uploaded 53 Plays 0 Comments

Cinemateca Cineclubista Brasileira

Cinemateca Cineclubista

Canal de vídeos

Browse This Channel

Shout Box

  • Gustavo Serrate

    Legal, parabéns pela iniciativa galera. Cineclubes são a compensação para a extinção dos cinemas de rua.

    by Gustavo Serrate

Heads up: the shoutbox will be retiring soon. It’s tired of working, and can’t wait to relax. You can still send a message to the channel owner, though!

Channels are a simple, beautiful way to showcase and watch videos. Browse more Channels.