Camila Freitas Plus

Joined

User Stats

Profile Images

User Bio

CAMILA FREITAS é formada em Cinema pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e tem especialização em direção de fotografia pela École Nationale Supérieure Louis Lumière, em Paris, onde viveu e trabalhou de2007 a 2013. Fez direção de fotografia e câmera dos longa-metragens Futuro Junho, de Maria Augusta Ramos (2015, 100’), Os pássaros estão distraídos, de Diogo Oliveira e João Torres (70’, 2016), Excelentíssimos, de Douglas Duarte (doc., 2016, em finalização), Historinhas de descuido, de Maria Pereira (doc., 2016, em finalização), Velhas histórias de amor, de Paula Braun (doc., 2015, em finalização), Aurora, de João Torres (longa em fase de produção) e dos curta-metragens de ficção Peixe, de Diogo Oliveira e Jô Serfaty (17’, 2014); Ararat (14’, 2014, que também co-dirigiu com Juruna Mallon e Lucas Parente); A biblioteca, a noite (18’, 2011), de João Vieira Torres, produzido pelo Studio National des Arts Contemporains Le Fresnoy; Uma, de Nara Riella (17’, 2008), e os curtas Pétanque, Laverie (8’, 10’, 2010) e Id (8’, 2004), de Indira Dominici. Em parceria com artistas visuais, co-fotografou o curta Natureza Morta (19’, 2016), de Mariana Kaufman, exibido em exposição coletiva no Parque Lage em 2015, fotografou a vídeo-performance Aurora, de João Torres, realizada em 2015 no Centre Georges Pompidou em Paris como parte do programa Hors Pistes, operou câmera no projeto Autorretrato, de Anna Costa e Silva, instalação realizada em 2015 pela Caixa Cultural (RJ), e fotografou e co-realizou o vídeo Sem título com Fernanda Taddei, que integrou a sua exposição No eres nadie, nunca hiciste nada (Santiago, Casa de Prem Sarjo, 2015). Como operadora de câmera, trabalhou em séries como Do Amor (Multishow, Rio, 2013), Boas-vindas (GNT, Rio, 2012), Roxane (Paris, 2012) e Os Suburbanos (Multishow, Rio, 2015). Trabalhou como assistente de câmera de 2008 a 2015, entre a França e o Brasil, tendo feito inúmeros filmes de curta e longa metragem além de diversas séries, em formatos digitais e analógicos diversos, como 2a e 1a assistente de câmera. Como realizadora, co-dirigiu o documentário de média-metragem De asfalto e terra vermelha (35’, 2010, La Fémis), que teve passagem por diversos festivais brasileiros e internacionais. Atualmente, encontra-se na etapa de pesquisa do longa-metragem Chão, que irá realizar entre 2016 e 2017 em Goiás.

Following

  1. Diogo Oliveira